"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

CASA DE CULTURA

O casarão centenário, "vistoso sobrado", com nove janelas de peitoril, que tem um ar afidalgado dos solares de nossos avós", uma das fachadas mais bonitas da Cidade, teve como morador o inesquecível padre João Pedron, durante décadas. Até o final de agosto de 2001, ele abrigará a Casa de Cultura de Conservatória, em seis salas e dois salões - totalmente reformados - a ampliar o valioso patrimônio da Vila das Ruas Sonoras.

Exposições permanentes e itinerantes de esculturas e pinturas (primitivas e clássicos) e de artesãos; tapeçarias, música ao vivo; a presença do esperado Projeto Seresteiro do Amanhã. Biblioteca, cursos e concursos de artes e trovas, palestras e outros eventos. Enfim, movimentado trabalho a ser executado por dedicados voluntários da Associação Casa de Cultura, criada em maio de 1993, e que tem o consagrado compositor Guilherme de Brito como sócio número um.

A Casa de Cultura, antiga reivindicação dos conservatorienses, funcionará de quinta a domingo no prédio geminado ao Colégio Medianeira, no centro, cedido por 10 anos, pela Fundação da Infância e do Adolescente - FIA. Terá exposições permanentes dos artistas Luiz Figueiredo e José Maria de Almeida, cuja viúva, sra. Maria Rita, vive em Conservatória.

Não se trata de nenhum museu, mas de espaço vivo, de arte viva. "Vamos, também, direcionar o trabalho para crianças e adolescentes",resume o hoteleiro Sérvio Consentino, um de seus entusiásticos voluntários, ao lado da esposa, ao acrescentar que oficinas de artesanato, em cerâmica e madeira, funcionarão nos porões do majestoso casarão.