"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

ABISMO DE ROSAS
(Américo Jacomino)

Ao amor em vão fugir
procurei,
pois tu
breve me fizeste ouvir
tua voz
mentirosa, deliciosa...
E, hoje, é meu ideal
um abismo de rosas
onde, a sonhar,
eu devo, enfim, sofrer e amar!
Mas, hoje, que importa
se tu'alma é fria?
Meu coração se conforta
na tua própria ironia!
Se há no meu rosto
Um rir de ventura,
que importa o mudo desgosto
de minha dor, assim,
sem fim?
Se minha esperança
o que não se alcança
sonhou buscar,
deve calar
hoje o meu sofrer
e jamais dele te dizer.

O amor que é puro
suporta obscuro,
quase a sorrir,
a dor de ver
a mais linda ilusão morrer.
Humilde, bem vês que vou
a teus pés levar
meu coração, que jurou
sempre ser amigo e dedicado.
Tenha embora que viver
neste sonho enganado,
jamais direi
que assim vivi
porque te amei!

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória