"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

A VOZ DO VIOLÃO
(Francisco Alves-Horácio Campos)

Não queiras, meu maor, saber da mágoa
que sinto, quando a relembrar-te estou.
Atestam-te os meus olhos rasos d'agua
a dor que a tua ausência me causou.

Saudades infinitas me devoram,
lembranças do teu vulto, que nem sei...
Meus olhos incessantemente choram
as horas de prazer que já gozei.

Porém, neste abandono interminável,
no espinho de tão negra solidão,
eu tenho um companheiro inseparável
na voz do meu plangente violão.

Deixaste-me sozinho, e lá, distante,
alheia à imensidão da minha dor,
esqueces que ainda existe um peito amante,
que chora o teu carinho sedutor.

No azul sem fim do espaço iluminado,
ao léu do vento frio, pertinaz,
as queixas de um amor desesperado,
que o peito em mil pedaços se desfaz.

 

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória