"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

BRANCA
(Zequinha de Abreu-Duque de Abramonte)

Há tempos que a vi,
que eu a conheci...
Ela era linda!
Um primor de amor,
misto de estrela e de flor...
Mas também sofreu,
eu sei, vou contar,
pois li naqueles olhos
cansados de chorar.

De tarde, ao chegar
os trens, um a um,
ela viu desembarcar
um estranho tentador.
E Branca, a cismar,
num sonho de amor,
ficou logo apaixonada
do mancebo tentador.

Mas, essa flor
não sentiu florir o amor,
nunca o sentiu florir,
porque ele teve de partir...
Viu embarcar
como um dia, após o amar,
e nunca mais
sentiu o puro amor
do jovem tentador.

 

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória