E O DESTINO DESFOLHOU
(Gastão Lamounier-Mário Rossi)

O nosso amor traduzia
felicidade, afeição,
suprema glória que, um dia,
tive ao alcance da mão.
Mas, veio, um dia, o ciúme
e o nosso amor se acabou,
deixando em tudo o perfume
da saudade que ficou.

Eu te vi a chorar,
vi teu pranto em segredo correr,
e parti, a cantar, sem pensar
que doía esquecer...
Mas, depois veio a dor.
Sofro tanto, esta valsa não diz...
Meu maor, de nós dois,
eu não sei qual é mais infeliz.

Os nossos olhos choraram,
o nosso idílio morreu,
os nossos lábios murcharam
porque a renúncia doeu.
Desfeito o ninho, a saudade
humilde e quieta ficou,
mostrando a felicidade
que o destino desfolhou.

 

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória