"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

LUAR DE PAQUETÁ
(Freire Jr.-Hermes Fontes)

Nessas noites olorosas,
quando o mar, desfeito em rosas,
se desfolha à lua cheia,
lembra a ilha um ninho oculto,
onde o amor celebra em culto
todo o encanto que a rodeia...
Nos canteiro ondulantes,
as nereidas incessantes
abrem lírios ao luar...
A água, em prece, burburinha
e, em redor da Capelinha,
vai rezando o verbo amar.

Jardim de afetos,
pombal de amores!
Humildes tetos
de pescadores...
Se a lua brilha,
que bem nos dá,
amar na ilha
de Paquetá!

Pensamento de quem ama,
hóstia azul fervendo em chama,
entre lábios separados...
Pensamento de quem ama,
leva o meu radiograma
ao jardim dos namorados!
Onde é esse Paraíso,
o caminho que idealizo
na ascensão para esse altar?
Paquetá é um céu profundo,
que começa neste mundo,
mas não sabe onde acabar...

Sobre o mar de azul rendado,
que é toalha de noivado,
surge a ilha - taça erguida!
E o luar - vinho dourado -
enche a taça do passado
que embriaga a nossa vida!
Aí, que filtro milagroso,
para a mágoa e para o gozo,
para a eterna inspiração!
O luar, na mocidade,
abre as rosas da saudade
dentro em nosso coração.

 

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória