"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

MINHA CASA
(Joubert Carvalho)

Foi num dia de tristeza
que a cidade abandonei,
sem saber o que fazer,
na esperança de encontar
pela vida algum prazer,
alegria em algum lugar...
Lá no Alto da Tijuca
tem um sítio bem florido,
onde agora estou morando,
com os pássaros em festa,
de galho em galho cantando,
a dentro, pela floresta.
Minha casa é tão bonita
que dá gosto a gente ver;
tem varanda, tem jardim...
Inda, agora, estou esperando
uma rede para mim,
a embalar de quando em quando...
Minha casa é uma riqueza
pelas jóias que ela tem,
minha casa que tem tudo...
Tanta coisa de valor...
Minha casa não tem nada -
Vivo só, não tenho amor.

 

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória