"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

SERESTA
(Maria Marta)

Ai, aquela praça...
Ai, aquele banco de jardim...
Meu riso sem graça,
seu olhar em mim...
Ai, aquela lua iluminando a rua
e os nossos passos...
E eu sonhando e me imaginando
dentro dos seus braços...

E eu não disse nada,
eu fiquei calada...
Ai, eu tive medo
do amor que nascia
e no peito rompia;
fiz o meu segredo.
E a alma doía,
quando pressentia
o romper da aurora...
É que eu já sabia
que , ao nascer o dia,
você ia embora.

Em que praça, agora,
quem será que chora
ao ver sua partida?
Quem será que implora
pra você voltar
e devolver a vida?
Quem será que espera por você
e crê na sua fantasia?
Ou será que, agora,
é você quem chora
na praça vazia?

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória