"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

SUBURBANA
(Silvio Caldas-Orestes Barbosa)

Olhando o céu me demoro,
num verso triste é que eu choro,
ninguém vê o pranto meu.
Há muita lágrima triste
que, em ser sorriso consiste,
como o poeta escreveu.
Minha linda suburbana,
por trás da veneziana,
vem sorrir nesta canção.
Com teus lábios de doçuras,
que são tâmaras maduras
da flora do coração.

Zona Norte da cidade,
residência da saudade,
onde nasceu teu cantor,
o teu cantor comovido,
que sonha com teu vestido,
que morre por teu amor!
Olho as estrelas cansadas,
que são lágrimas doiradas
no lenço azul lá do céu.
Estrelas são reticências
do meu romance e do teu!

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória