"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

TORTURANTE IRONIA
(Silvio caldas-Orestes Barbosa)

Que mágoa neste abandono.
Que ânsia - perdi o sono
e vim tristonho cantar,
porque a canção mais aflita
é a forma que há mais bonita
da gente poder chorar...
Tu sobes este barranco
sujando o vestido branco,
pisando as pedras do chão,
mas, sem saber, na verdade,
que, desde lá da cidade,
tu pisas meu coração.

Por ser do morro e moreno,
é que eu soluço é que eu peno,
bebendo o eu amargor,
porque me negam, querida,
esta alegria da vida
de possuir teu amor!
Que torturante ironia
o amor com categoria!
Eu amo e não posso amar,
porque a mulher que eu adoro
não mora aqui, onde eu moro,
deixem-me, então, soluçar!

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória