"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade"

VOLTA
(Mário Lopes de Castro)

Tu disseste que meus olhos
eram dois sóis...
Tu disseste que meus seios
eram ninhos para o amor...
Tu deixaste em minha boca
um esplêndido sabor...
Tu falaste aos meus ouvidos
um segredo que nem sei...
E o disseste tantas vezes
que, por fim, acreditei.

Sim, dei-te tudo que guardava
com avarento pudor...
Dei-te todos os meus beijos,
dei-te todo a meu amor...
Quando, certo dia, por desgraça,
descobri que era enganada,
pois o amor que tu me tinhas
era desejo e mais nada!

E, depois, eu chorei tanto
a intensa dor,
com saudades das perfídias
desse amor só a ilusão...
Eu queria que voltasses
para alegrar o meu viver.
Eu bem sei que me traiste,
mas não te pude esquecer...
Que bem me importa a mentira
se a mentira é o meu prazer...

Vem aos meus braços, novamente,
para que eu possa, com fervor,
dar-te todos os meus beijos,
dar-te todo o meu amor.

 

 

Imprima e Cante com os Seresteiros de Conservatória